Protocolo de acupuntura aplicado na China durante o surto do COVID-19

Publicado por Carolina Thibes em

A COVID-19 é uma doença causada pelo coronavírus SARS-CoV-2, que foi descoberto em 31 de dezembro de 2019, após casos registrados na China. O coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias, podendo apresentar um quadro clínico que varia de infecções assintomáticas a quadros respiratórios graves. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a maioria dos pacientes com COVID-19 (cerca de 80%) podem ser assintomáticos e cerca de 20% dos casos podem requerer atendimento hospitalar por apresentarem dificuldade respiratória e desses casos aproximadamente 5% podem necessitar de suporte para o tratamento de insuficiência respiratória (suporte ventilatório).

Em 30 de janeiro de 2020, a OMS declarou que o surto da doença causada pelo novo coronavírus (COVID-19) constitui uma Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional – o mais alto nível de alerta da Organização, conforme previsto no Regulamento Sanitário Internacional. Em 11 de março de 2020, a COVID-19 foi caracterizada pela OMS como uma pandemia.

Os pacientes mais suscetíveis às complicações do novo Coronavírus, são idosos acima de 60 anos, grávidas e pessoas que possuem doenças crônicas como diabetes, asma e hipertensão. De acordo com a OMS, pacientes portadores de doença renal crônica, imunossupressão e enfermidades patológicas também fazem parte do grupo de risco da doença.

O Escritório Geral da Comissão Nacional de Saúde Chinês e o Escritório Geral da Administração Nacional de Medicina Tradicional Chinesa (MTC), formularam as “Diretrizes sobre Acupuntura e Moxabustão Intervenção para COVID-19 (segunda edição)”, onde mencionam alguns pontos de acupuntura utilizados nos principais hospitais de MTC da China durante o surto do COVID-19. 

Protocolo de acupuntura aplicado na China durante o surto do COVID-19

Tratamento para COVID-19

Na fase de suspeita de contaminação pelo COVID-19, tais Diretrizes sugerem os seguintes pontos de acupuntura, de forma a estimular o Qi vital e as funções pulmonares e do baço-pâncreas, estimulando a defesa do organismo contra o agente patógeno. Em cada sessão de acupuntura, a indicação é que se selecione 1-2 pontos em cada grupo de pontos:

  1. B12 (fengmen) + B13 (feishu) + B20 (pishu)
  2. IG4 (hegu) + IG11 (quchi) + P5 (Chize) + P10 (Yuji)
  3. VC6 (Qihai) + E36 (Zusanli) + BP6 (Sanyinjiao)

Em caso de tratamento clínico para os casos confirmados de COVID-19, as “Diretrizes sobre Acupuntura e Moxabustão Intervenção para COVID-19”, sugerem os seguintes pontos de acupuntura, de forma a estimular o Qi vital do pulmão e do baço-pâncreas, proteger o vísceras e dissipar o agente perverso. Para tratar casos leves e gerais, para cada sessão de acupuntura, deve-se selecionar 2-3 pontos no grupo 1 e 2; para tratar casos graves, deve-se selecionar 2-3 principais pontos no grupo 3:

  1. IG4 (hegu) + F3 (Taichong) + VC22 (Tiantu) + P5 (Chize) + P6 (Kongzui) + E36 (Zusanli) + BP6 (Sanyinjiao)
  2. B11 (Dazhu ) + B12 (Fengmen) + B13 (Feishu) + B15 (Xinshu) + B17 (Geshu)
  3. P1 (Zhongfu) + VC17 (Danzhong) + VC6 (Qihai) + VC4 (Guanyuan) + VC12 (Zhongwan)

Na fase de convalescença, as “Diretrizes sobre Acupuntura e Moxabustão Intervenção para COVID-19” indicam os seguintes pontos de acupuntura com o objetivo de remover vírus residuais, restaurar a vitalidade e reparar funções de vísceras como o pulmão e baço-pâncreas:

  • PC6 (Neiguan) + E36 (Zusanli) + VC12 (Zhongwan) + E25 (Tianshu) + VC6 (Qihai) 
  1. Para os casos de deficiência de Qi do pulmão e do baço-pâncreas: sintomas como falta de ar, fadiga, falta de apetite e vômito, distensão do estômago, falta de força para defecar, fezes soltas, língua levemente gordurosa. Para aqueles com sintomas óbvios, como aperto no peito, falta de ar, combine com VC17 (Danzhong), B13 (Feishu), P1 (Zhongfu). Para aqueles com sintomas óbvios do baço e do estômago, como indigestão e diarréia, combine com VC13 (Shangwan) e BP 9 (Yinlingquan).
  1. Para os casos de deficiência de Qi e Yin: sintomas como fraqueza, boca seca, sede, palpitações, transpiração excessiva, falta de apetite, febre baixa ou inexistente, tosse seca com pouco catarro, língua seca com menos saliva, pulso fino ou fraco e falta de ar, combine com VC17 (Danzhong) e VC8 (Shenque) . Para aqueles com boca seca e sede, incluir R3 (Taixi) e TA4 (Yangchi). Para aqueles com palpitações, combine com B15 (Xinshu) e B14 (Jueyinshu). Para aqueles com excesso de suor, incluir IG4 (Hegu), R7 (Fuliu), (KI7) e E36 (Zusanli). Para aqueles com insônia, incluir C7 (Shenmen), Yintang, Anmian e R1 (Yongquan).
  1. Para os casos de Deficiência de pulmão e baço-pâncreas, estase de catarro bloqueando os meridianos: sintomas como aperto no peito, falta de ar, fadiga, sudorese quando em movimento, tosse com catarro e pele seca escamosa e bloqueada, fadiga mental, falta de apetite etc, incuir com B13 (Feishu), B20 (Pishu), B15 (Xinshu), B17 (Geshu), B23 (Shenshu), P1 (Zhongfu), VC17 (Danzhong). Para aqueles com catarro bloqueado, combinar com E40 (Fenglong) e Dingchuan.

De acordo com as “Diretrizes sobre Acupuntura e Moxabustão Intervenção para COVID-19 (segunda edição)”, o tratamento deve ser aplicada uma vez ao dia. Recomenda-se o uso de agulhas ou moxabustão, ou de ambos, dependendo do caso. 

Fonte: Ministério da Saúde e INCISA/IMAM

Categorias: Estudo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *